Meu Sebrae

0800 570 0800

Casos de Sucesso

A receita da exportação

Com apoio do SEBRAE/RS, caxiense Compact intensifica vendas para América Latina e África do Sul e compensa crise no Brasil

Sede da Compact em Caxias do Sul (Foto: Divulgação)

Caxias do Sul – Enquanto o setor metalmecânico enfrenta dificuldades, a fabricante de minicozinhas Compact, de Caxias do Sul, comemora o aumento das exportações. “As vendas externas cresceram 15% em 2015 e fizeram com que o faturamento se mantivesse estável, mesmo com a retração do mercado interno”, revela o diretor comercial Guilherme Toigo Poletti.

A trajetória de sucesso no mercado internacional da Compact começou a ser traçada há dois anos com a adesão ao Programa Qualimundi, do SEBRAE/RS. “É uma iniciativa que tem o objetivo de promover a internacionalização de micro e pequenas empresas a partir de capacitações, consultorias e rodadas de negócios”, detalha o gestor de projetos do SEBRAE/RS na Serra Gaúcha Aldoir Bolzan de Morais. “O objetivo é mudar a mentalidade dos empresários para que possam olhar o mundo e enxergar mercados que antes pareciam impossíveis, seja para exportação ou até para parcerias e aquisição de tecnologia”, comenta.

Foi o que ocorreu com a Compact, empresa de pequeno porte com 15 funcionários em Caxias do Sul. Com o trabalho desenvolvido no Programa Qualimundi, os produtos ganharam novos destinos e o faturamento com as vendas para outros países cresceu. “Hoje nossa linha está no Chile, Peru, Argentina, Colômbia, México e até na África do Sul”, conta Poletti. Com o contato com o exterior, o empresário descobriu novas oportunidades. Por exemplo, o segmento de transporte rodoviário de passageiros da América Latina tem parâmetros de conforto diferenciados. “Lá existe a figura da rodomoça, como a comissária de bordo dos aviões, que oferece até lanches quentes. Para isso, eles precisam de refrigeradores, fornos e cafeteiras que fabricamos aqui em Caxias”, relata.

O olhar internacional, que permite identificar novos mercados e negócios, é ampliado a partir de missões como a realizada no ano passado para a Expotransporte, em Guadalajara, no México. “É uma semente que a gente planta e vai colher em dois ou três anos”, observa o empresário, confirmando que investir no mercado externo requer visão de longo prazo. Mas a estratégia compensa. “Em 2016, as exportações devem representar 25% das vendas totais, um crescimento significativo diante dos cerca de 15% registrados no ano passado”, estima.

Copyright SEBRAE 2012

SIGA O SEBRAE NAS REDES SOCIAIS:

twitter youtube  facebook  youtube  youtube  flikr